sexta-feira, 12 de março de 2010

A IMPORTÃNCIA DO ENSINO DAS CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLÓGICAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Elena Roque de Souza Almeida.

RESUMO

O objetivo deste estudo é refletir sobre o ensino de Ciências Natural e Tecnológico nos anos iniciais da rede estadual de ensino de Várzea Grande MT. A pesquisa descritiva e de cunho quanto-qualitativa foi realizada com nove professoras do primeiro e segundo ciclo do Ensino Fundamental, que atuam em três escolas públicas estaduais de Várzea Grande. Os resultados apontam para uma diversidade de recursos e técnicas de ensino, avanço na formação inicial dos docentes pedagogos e das docentes pedagogas e para a necessidade de implantar programas e cursos de formação continuada na área. As Ciências Naturais e Tecnológicas são pouco enfatizadas nas classes iniciais da escola organizada em ciclos de formação humana, em relação à área de linguagem e de Matemática, que mesmo sendo ministrado como um componente curricular, precisa ainda, avançar em alguns aspectos para efetivamente possibilitar a formação do estudante para que seja alfabetizado e letrado cientifica e tecnologicamente.

Palavras-Chave: Ensino de Ciências Naturais e Tecnologias, Alfabetização e Letramento Científico e tecnológico, Professores (as)
INTRODUÇÃO
A educação escolar, na atualidade, deve propiciar, além da transmissão sistemática dos conteúdos de ensino, historicamente produzidos e acumulados, assegurar que os alunos se apropriem desses conteúdos de forma ativa, para que possam reelaborar esses conhecimentos e, com isso, obter um senso crítico mais concreto, embasado na compreensão científica e tecnológica da realidade social e política na qual vive.

Este estudo tem o propósito de refletir sobre o ensino de Ciências Natural e Tecnológico nos anos iniciais, conforme Santos (2005), por entendermos que esse ensino deve se preocupar com os conhecimentos científicos, que, sendo veiculados desde os primeiros anos escolares do Ensino Fundamental, venham a se constituir em um aliado para que o estudante possa ler e compreender o seu universo.

Entende-se que pensar e transformar o mundo que nos rodeia tem como pressuposto conhecer os aportes científicos, tecnológicos, assim como a realidade social e política.

A Alfabetização e Letramento Científico Tecnológico, no contexto do ensino de Ciências Natural e Tecnológicas, nos anos iniciais são compreendidos como o processo pelo qual a linguagem dessas Ciências adquire significados, constituindo-se em um meio para o indivíduo ampliar o seu universo de conhecimento, a sua cultura, como cidadão inserido na sociedade.

Atualmente, pode-se verificar que a modalidade de ensino que se vem desenvolvendo nas instituições escolares tem sido alvo de muitas discussões e estudos, principalmente em eventos científicos tecnológicos como, por exemplo, os da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (ENPEC), Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino (ENDIPE) e, Encontro Norte e Nordeste de Pesquisa Educacional (ENPE); no que se refere ao fato de estarem formando pessoas críticas, com capacidade para compreender e transformar seu conhecimento em contexto social-histórico, eventos ainda desconhecido por muitos professores que atuam nessas classes.

Por conseguinte, uma das questões que nos deixa preocupados quanto ao alcance dos objetivos a serem atingidos no Ensino Fundamental é justamente ao fato de a educação científica e tecnológica não estar sendo plenamente valorizada.

É possível verificar isto a partir dos estudos realizados sobre o Ensino de Ciências, nos anos iniciais, por autores como Pernambuco e Silva (1985); Fracalanza (1986); Krasilchik (1987); Mendes Sobrinho (2002); Brand e Gurgel (2002) e Chassot (2003). Tradicionalmente, o ensino na área tem sido descrito como predominantemente teórico, a-histórico, expositivo, pouco enfatizado em relação a outras áreas do conhecimento e, muitas vezes, ministrado como um componente curricular obrigatório.

Acredita-se, portanto, na importância da Alfabetização e Letramento Científico Tecnológico nos anos iniciais como forma de criar um espírito crítico, reflexivo que permita aos estudantes fazerem uma leitura do mundo, buscando dessa forma, compreender e atuar na sociedade na qual estão inseridos.

Atualmente, frente à escola organizada em ciclos de formação humana, nós educadores, devemos estar preparados para colaborar com a formação de pessoas que ajam com responsabilidade, autonomia, criatividade e que possam se realizar tanto em sua vida pessoal, quanto em sociedade.

Sendo assim, precisamos oferecer condições para que os estudantes desenvolvam cada vez mais o conhecimento sobre a natureza e o respeito para com ela, tornando-se capaz de compreender seus fenômenos e usar seus recursos naturais e tecnológicos com sabedoria.

A construção desse conhecimento e dessas atitudes, sem dúvida, se relaciona aos conteúdos e procedimentos da área de ciências naturais e tecnológicas; ao professor e à professora cabe contribuir com a intervenção competente e organizada; e criar condições reais para que as crianças desenvolvam habilidades para resolver problemas e relacionar o conhecido e o novo; o particular e o geral; a causa e o efeito; o semelhante e o diferente; preciação e respeito pelo mundo em que vivem e pelo próprio corpo.

A preocupação com os aspectos afetivos, valores e atitudes deverá estar sempre presente em todos os momentos do trabalho educacional.

O professor e a professora deverão mostrar que o ser humano como parte do universo, precisa ter consciência da importância de suas ações em relação à natureza e à sociedade, e perceber que saúde é um bem e sua preservação, responsabilidade de cada um.

Cada pessoa dá sentido ao seu viver na relação com o outro e assimilação da cultura presente em seu ambiente.

Muitos problemas de aprendizagem são explicados pela ausência ou uso inapropriado de estratégicas de estudo e pela não existência de hábitos de trabalho favoráveis à aprendizagem. Além disso, até hoje, ainda há quem considere como uma das causas do fracasso escolar, o tempo de estudo insuficiente para crianças e adolescentes, mas há também alguns pesquisadores que vêem o fracasso escolar como uma consciência muito limitada da utilidade de adaptar estratégias de ensino por parte dos professores e das professoras.

Os ciclos de formação humana compreendem uma das formas de organização escolar do Ensino Fundamental, previstas na LDB, onde a base da enturmação das alunas e alunos ocorre com referência à idade e, a partir disto, o processo de escolarização busca oferecer maior tempo escolar e contribuir com o desenvolvimento integral do estudante, a partir de atividades que consideram a heterogeneidade da turma como uma força motriz da aprendizagem.

Se nos interrogarmos sobre o que poderemos fazer para aprender melhor? Temos por certo alguma dificuldade em responder a atual questão. Na verdade, na maior parte dos casos, a aprendizagem ocorre de uma forma automática e, por isso, não é fácil apercebermo-nos dos componentes que nela intervêm. No entanto, quando deliberadamente queremos aprender um determinado tema, e assumimos um comportamento intencional para o compreendermos é-nos mais fácil tomar consciência de alguns dos componentes que ocorrem para uma aprendizagem com êxito. Por isso, fundamentamo-nos também, na obra e teoria de Piaget, Vygotsky, Wallon e seus discípulos, Emilia Ferreiro e outros, quando nos confrontarmos com aprendizagem de temas que nos causam dificuldades de compreensão, que nos levam a refletir sobre alguns dos aspectos importantes que nos auxiliam no processo de ensino e aprendizagem. Podemos por exemplo, atribuir as nossas dificuldades a fatores externos: o método de ensino adaptado na aprendizagem daquele tema, o tempo de aprendizagem insuficiente para uma compreensão detalhada do assunto em questão, o clima desfavorável em que ocorre aquela aula.

O ensino de Ciências nas classes de Primeiro e de Segundo Ciclo do Ensino Fundamental possui algumas especificidades quando comparada àquela praticada em outras etapas da Educação Básica. Uma delas é o fato de contar com um professor polivalente, em geral graduado em Pedagogia e também responsável pelo ensino de outras áreas do conhecimento.

Pretende-se com o conteúdo apresentado até aqui, realizar um estudo de caso acerca das características, fundamentos e concepções que norteiam a formação do pedagogo, da pedagoga para o ensino de Ciências nas classes do Primeiro e Segundo Ciclo nas escolas públicas localizadas no estado de Mato Grosso, para possíveis contribuições pelas Professoras Formadoras da Área de Alfabetização do CEFAPRO / Cuiabá MT, na oferta de cursos de formação com o tema em discussão. Esta proposta dependerá da enquete respondida por vocês, para daí, então, apresentá-la ao CEFAPRO Cuiabá/ MT. Participe desta enquete, se tiver interesse nessa formação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário